segunda-feira, 2 de julho de 2012

Nao Vah ao Nokyoski Shushi Bar


Mais uma da saga dos restaurantes japoneses. Pedimos um combinado de Teishoku que era pra vir 8 itens. Vieram 5 itens, e trocados. Não percebemos e acabamos consumindo o combinado errado. Só fomos perceber que haviam trocado o pedido quando chegou a conta com valor diferente.
Chamamos a gerente que assumiu que fez o pedido errado à cozinha. Tudo bem, erros acontecem. Mas começamos a questionar o valor, pois além de itens trocados, não vieram outros itens do combinado, como por exemplo, o sorvete.
Nesse momento a gerente tentou nos enrolar, novamente dizendo que havia feito o pedido errado à cozinha.
"Ok, entendemos que vieram itens errados, mas não achamos justo pagar por um combinado que não veio a quantidade de itens que eram pra vir, mesmo que trocados". Depois de ouvir isso a gerente disse que se quiséssemos poderíamos relevar os 10%. Nesse momento, dissemos que os 10% já não iríamos pagar de qualquer forma, pois soubemos a partir de um funcionário, em outra ocasião, que a brigada não recebe a taxa de serviço.
A partir daí começou um show de atrocidades. Falou que não poderia fazer o desconto e ponto. Relutamos em pagar o valor cheio do prato. A gerente deu meia volta, e gritou em alto e bom tom: "Que saco!". Fez o desconto. E enquanto passávamos o cartão, a gerente conversava um assunto particular com outra funcionária. Mas deu pra ouvir algo do tipo: "Acho que não vou mais, amiga. Me estressei!".
O mesmo lugar que, com algo simples e bem feito, como uma porção de Hot Roll, nos fez voltar outras vezes, conseguiu fazer com que nunca mais voltemos. Mérito de algo também simples, como falta de atenção e principalmente, educação. Educação.